Sao Lucas

Texto I

Eusébio de Cesaréia, nascido em 265 e falecido em 339 ou 340, refere, em sua História Eclesiástica, uma autorizada tradição, já em seu tempo antiga, para comprovar que Lucas, autor do Terceiro Evangelho, nasceu em Antioquia da Síria, de família pagã, que era de estirpe e educação grega.

Seus livros - o terceiro Evangelho e os Atos dos Apóstolos - o demonstram como escritor de grande cultura e profundo conhecedor do grego clássico. Era também médico, segundo afirma seu mestre, o apóstolo Paulo, na Carta aos colossenses (4,14): "Saudações de Lucas, médico estimadíssimo…"

Lucas abraçou a religião cristã com a pregação dos primeiros missionários em sua terra natal, onde, pela primeira vez, os discípulos foram apelidados de "cristãos" (At 11,19-26).

Em sua segunda viagem apostólica, Paulo encontrou Lucas em Trôade, quando a caminho da Grécia. Foi pelo ano 50. Daí por diante, tornou-se o companheiro inseparável do grande Apóstolo. É neste ponto, em seu segundo livro, que começa a empregar o "nós" (At 16,10). Poucas vezes deixou a companhia de Paulo, e sempre em missões que este lhe confiava. Prisioneiro pela segunda vez em Roma, no ano 66, enquanto aguardava o martírio, o Apóstolo dos Gentios escrevia a Timóteo: "Somente Lucas está comigo" (2Tim 4,11).

Nada se sabe a respeito das missões apostólicas de Lucas, após o martírio de Paulo. Conforme a tradição narrada ao Martirológico Romano, sofreu o martírio na Bitínia. Seu corpo foi levado para Constantinopla e daí para Pádua, na Itália, onde se venera na igreja de santa Justina. A festa de são Lucas celebra-se em 18 de outubro.

"Lucas, companheiro de Paulo, relatou por escrito o Evangelho que anunciava". Assim escreve Irineu, discípulo de Policarpo, que fori discípulo imediato do apóstolo João.

São Jerônimo confirma: "Lucas, médico antioqueno, bom conhecedor do grego, companheiro de Paulo em todas as suas viagens, escreveu o Evangelho, do qual o Apóstolo diz: "Nós vos mandamos o irmão, cujo louvor está no Evangelho disseminado por todas as igrejas" (2 Cor 8, 18).

Manuscritos, versões e escritores, até o herege Marcião, nos tempos de Irineu, confirmam que o médico Lucas é autor do terceiro Evangelho. O grande crítico histórico Harnack, em nossos dias, observa que, neste livro, a maior precisão no uso de termos apropriados, fazem perceber o escritor médico.

Historiador consciencioso, Lucas procurou consultar não só Paulo, que aliás não estivera com Jesus, mas também (como afirma no prólogo do Evangelho) outras fontes diretas: os demais apóstolos, e particularmente a Virgem santíssima, de quem obteve notícias sobre a infância de Jesus. A respeito dela e de outros informantes, Lucas diz que "conservavam tudo, meditando no coração" (Lc 1,66;2,19,51).
Embora não se possa negar, é incerta a tradição (referida, no séc. VI, por Teodoro, Nicéforo e Simão Melafrastes) segundo a qual Lucas era também pintor, tendo deixado na tela a figura da Virgem, sob o título conhecidícimo de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Tudo demonstra, no terceiro evangelista, um pesquisador extraordinário: consultou, sem dúvida, o Evangelho de Marcos, em três longos trechos da vida pública de Jesus: 4,31 a 6,19 (Mc 1,21 a 3,19); 8,4 a 9,50 (Mc 4,1 a 9,40); 18,15 a 21,38 (Mc 10,14 a 13,27), sem contudo descuidar outras fontes de viva voz ou escritas, o que se nota na linguagem e na ordem, demonstrando seu pessoal e sua sinceridade na consulta a tais fontes.

Além disso, apesar de seu estilo grego clássico, - com algumas expressões populares - nota-se claramente, nos dois primeiros capítulo sobre a infância de Jesus, a informação recebida da gente simples e autenticamente israelita.

O terceiro Evangelho foi escrito pelo ano 60. Prova-se pelo seguinte: Paulo, no ano 63, foi posto em liberdade de sua primeira prisão em Roma. E antes desta libertação encerra-se o livro dos Atos dos Apóstolos, escrito por Lucas como continuação de seu Evangelho (At 1,1)

Pode assim dividir-se o Evangelho segundo Lucas:

  1. Infancia de Jesus: 1 - 2
  2. Vida pública de Jesus: 3 - 21
  3. Paixão, morte e glorificação de Jesus: 22 - 24

Texto II

Comemoração dia 18 Outubro:

São Lucas era uma figura simpática do Cristianismo primitivo, homem de posição e qualidades. Nasceu em Antioquia da Síria, médico de profissão foi convertido pelo apóstolo São Paulo, do qual se tornou inseparável e fiel companheiro de missão. Colaborador no apostolado, o grande apóstolo dos gentios em diversos lugares externa a alta consideração que tinha por Lucas, como portador de zelo e fidelidade no coração. Ambos fazem várias viagens apostólicas, tornando-se um dos primeiros missionários do mundo greco-romano. Tornou-se excepcional para a vida da Igreja por ter sido dócil ao Espírito Santo, que o capacitou com o carisma da inspiração e da vivência comunitária, resultando no Evangelho segundo Lucas e na primeira história da Igreja, conhecida como Atos dos Apóstolos. No Evangelho segundo Lucas, encontramos o Cristo, amor universal, que se revela a todos e chama Zaqueu, Maria Madalena, garante o Céu para o "bom" ladrão e conta as lindas parábolas do pai misericordioso e do bom samaritano. Nos Atos dos Apóstolos, que poderia também se chamar Atos do Espírito Santo, deparamos com a ascensão do Cristo, que promete o batismo no Espírito Santo, fato que se cumpre no dia de Pentecostes, e é inaugurada a Igreja, que desde então vem evangelizando com coragem, ousadia e amor incansável todos os povos. Uma tradição - que recolheu no séc. XIV Nicéforo Calisto, inspirado numa frase de Teodoro, escritor do séc. VI - diz-nos que São Lucas foi pintor e fala-nos duma imagem de Nossa Senhora saída do seu pincel. Santo Agostinho, no séc. IV, diz-nos pela sua parte que não conhecemos o retrato de Maria; e Santo Ambrósio, com sentido espiritual, diz-nos que era figura de bondade. Este é o retrato que nos transmitiu São Lucas da Virgem Maria: o seu retrato moral, a bondade da sua alma. O Evangelho de boa parte das Missas de Maria Santíssima é tomado de São Lucas, porque foi ele quem mais longamente nos contou a sua vida e nos descobriu o seu Coração. Duas vezes esteve preso São Paulo em Roma e nos dois cativeiros teve consigo São Lucas, "médico queridíssimo". Ajudava-o no seu apostolado, consolava-o nos seus trabalhos e atendia-o e curava-o com solicitude nos seus padecimentos corporais. No segundo cativeiro, do ano 67, pouco antes do martírio, escreve a Timóteo que "Lucas é o único companheiro" na sua prisão. Os outros tinham-no abandonado. O historiador São Jerônimo afirma que Lucas viveu a missão até a idade de 84 anos, terminando sua vida com o martírio. Por isso, no hino das Laudes rezamos: "Cantamos hoje, Lucas, teu martírio, teu sangue derramado por Jesus, os dois livros que trazes nos teus braços e o teu halo de luz". É considerado o Padroeiro dos médicos, por também ele ter exercido esse ofício, conforme diz São Paulo aos Colossenses (4,14): "Saúda-vos Lucas, nosso querido médico".

São Lucas, rogai por nós!

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License