Aparições de Nossa Senhora

As Aparições De Lourdes Segundo As Palavras Da Própria Santa Bernadete

1ª aparição — quinta-feira, 11 de fevereiro

“A primeira vez que fui à gruta, era quinta-feira, 11 de fevereiro. Fui para recolher galhos secos com outras duas jovens.”

“Ouvi um barulho como se fosse uma ventania. Então girei a cabeça para o lado do gramado, do lado oposto da gruta. Vi que as árvores não se moviam.”

“Ouvi mais uma vez o mesmo barulho. Assim que levantei a cabeça, olhando a gruta, vi uma Dama vestida de branco. Tinha um vestido branco, um véu branco, um cinto azul e uma rosa em cada pé, da cor da corda do seu terço.”

“Eu pensava ser vítima de uma ilusão. Esfreguei os olhos, porém olhei de novo e continuei a ver a mesma Dama. Coloquei a mão no bolso, para pegar o meu terço.”

“Queria fazer o sinal da cruz, mas em vão. Não pude levar a mão até a testa, a mão caía. Então o medo tomou conta de mim, era mais forte que eu. Todavia, não fugi.”

“A Dama tomou o terço que segurava entre as mãos e fez o sinal da cruz. Minha mão tremia, porém tentei uma segunda vez, e consegui. Assim que fiz o sinal da cruz, desapareceu o grande medo que sentia, e fiquei tranqüila.”

“Coloquei-me de joelhos. Rezei o terço, tendo sempre diante de meus olhos aquela bela Dama. A visão passava as contas do terço, mas não movia os lábios.”

“Quando acabei o meu terço, com o dedo ela fez-me sinal para me aproximar, mas não ousei. Fiquei sempre no mesmo lugar. Então desapareceu imprevistamente.”

“Esta foi a primeira vez”.

2ª aparição — domingo, 14 de fevereiro

“A segunda vez foi no domingo seguinte. Voltei com várias moças, para ver se não me havia enganado.”

“Fui à paróquia, pegar uma garrafinha de água benta para jogá-la na visão quando estivesse na gruta, se a visse. E saímos para a gruta. Apenas tinha acabado de rezar a primeira dezena, quando vi a mesma Dama”.

“Então comecei a jogar água benta nela, dizendo que, se vinha da parte de Deus, que permanecesse; se não, que fosse embora; e me apressava sempre a jogar-lhe água.”

“Ela começou a sorrir, a inclinar-se. Mais água eu jogava, mais sorria e girava a cabeça, e mais a via fazer aqueles gestos.”

“Eu então, tomada pelo temor, me apressava a aspergi-la mais, e assim o fiz até que a garrafa ficou vazia. Quando terminei de rezar meu terço, ela desapareceu e não me disse nada”.

3ª aparição — quinta-feira, 18 de fevereiro

“Ela só me falou na terceira vez. Após ter rezado a primeira dezena, vi a mesma Dama. Ela se pôs a sorrir, e me disse que aquilo que tinha para me dizer, não era necessário escrevê-lo.”

“Mas perguntou-me se eu queria conceder-lhe a graça de voltar ali durante quinze dias.”

“Eu lhe respondi que sim”.

5ª aparição — sábado, 20 de fevereiro

A mãe de Santa Bernardette confidenciou que Nossa Senhora “teve a bondade de ensinar-lhe, palavra por palavra, uma oração somente para ela”.

6ª aparição — domingo, 21 de fevereiro

“Esta rainha misericordiosa me disse também para rezar pela conversão dos pecadores. Ela me repetiu várias vezes essas mesmas palavras”.

“Disse-me também que não me prometia tornar-me feliz neste mundo, mas no outro”.

7ª aparição — terça-feira, 23 de fevereiro

“Ela me deu três segredos que me proibiu de contar”

“Eles só se referem a mim, não são nem sobre a Igreja, nem sobre a França, nem sobre o Papa”.

8ª aparição — quarta-feira, 24 de fevereiro

Santa Bernadete com a voz marcada pelos soluços, referiu à multidão o pedido de Nossa Senhora:

“Penitência, penitência, penitência!”; e “rezai a Deus pela conversão dos pecadores”; além da recomendação de “beijar a terra em penitência pelos pecadores”.

9ª aparição — quinta-feira, 25 de fevereiro

“A Senhora me disse que eu deveria beber da fonte e lavar-me nela.”

“Mas, como não a via, fui beber no Gave. Ela me disse que não era ali, e me fez um sinal com o dedo para ir à gruta, mostrando-me a fonte.”

“Eu fui, mas só vi um pouco de água suja. Parecia lama, e em tão pequena quantidade, que com dificuldade pude colher um pouco no côncavo da mão.”

“Eu me pus a arranhar a terra, até poder colhê-la, mas três vezes a joguei fora. Foi só na quarta vez que pude bebê-la, de tal maneira estava suja”.

13ª aparição — terça-feira, 2 de março

“Ela me disse que eu devia dizer aos padres para construir uma capela aqui”.

“A Dama disse: ‘Devem vir aqui em procissão’”

16ª aparição — quinta-feira, 25 de março

“Depois dos quinze dias, eu lhe perguntei de novo seu nome, três vezes seguidas.”

“Ela sorria sempre.

“Por fim ousei uma quarta vez, e foi então que ela, com os dois braços ao longo do corpo [como na Medalha Milagrosa], levantou os olhos ao Céu e depois me disse, juntando as mãos na altura do peito, que ela era a Imaculada Conceição”.

18ª e última aparição — quinta-feira, 16 de julho

“Eu não via a cerca nem o Gave. Parecia-me estar na gruta, na mesma distância das outras vezes. Eu via somente a Virgem”.

Santa Bernadete Soubirous somente voltaria a ver Nossa Senhora 21 anos depois, em Nevers, no dia 16 de abril de 1879, quando deixou esta terra de exílio para contemplá-la eternamente no Céu! Seu corpo permanece milagrosamente incorrúpto/intácto.

Aparição de Nossa Senhora das Graças à Santa Catarina Labouré

Transcrevemos aqui um artigo da revista francesa "O Amigo do Clero" de abril de 1907, onde é relatada a aparição de Nossa Senhora das Graças a Santa Catarina Labouré quando foi revelada a Medalha Milagrosa:

Em 27 de novembro de 1830, a Virgem Imaculada aparecia na capela da Casa-Mãe das Filhas da Caridade, em Paris. Eram por volta de cinco horas e meia da tarde. Em profundo silêncio, a Irmã Catarina Labouré fazia sua meditação. De repente, ela ouviu um ruído como o roçar de um vestido de seda, vindo do lado da Epístola.

Levantou os olhos e deparou com a Santíssima Virgem Maria, resplandecente de luz, trajando um vestido branco e um manto branco-aurora. Os pés da Mãe de Deus pousavam sobre a metade de um globo; suas mãos seguravam outro globo, que Ela oferecia a Nosso Senhor com uma inefável expressão de súplica e de amor. Mas eis que esse quadro vivo se modifica sensivelmente, figurando o que foi depois representado na Medalha Milagrosa.

As mãos de Maria, carregadas de graças simbolizadas por anéis radiosos, emitem feixes de raios luminosos sobre a terra, mas com maior abundância num ponto. Ouçamos a narração de Santa Catarina Labouré:

"Enquanto eu a contemplava, a Virgem Santa baixou seus olhos para mim, e uma voz me disse no fundo do coração:
‘Este globo que vês representa o mundo inteiro, especialmente a França e cada pessoa em particular'.
"Não sei exprimir o que pude perceber da beleza e do brilho dos raios.

"E a Virgem Santa acrescentou:
‘Eis o símbolo das graças que derramo sobre as pessoas que me pedem',
dando-me a entender quanto Ela é generosa para quem a invoca…
quantas graças Ela concede às pessoas que Lhe pedem…
Nesse momento, eu estava ou não estava… não sei… eu saboreava aqueles momentos!
"Formou-se em torno da Santíssima Virgem um quadro meio ovalado, no qual se liam estas palavras, escritas em letras de ouro:
‘Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorrermos a Vós'.

"Depois se fez ouvir uma voz que me disse:
‘Faze cunhar uma medalha conforme este modelo; as pessoas que a portarem com piedade receberão grandes graças, sobretudo se a levarem no pescoço; as graças serão abundantes para aqueles que tiverem confiança'.

A Medalha foi cunhada e espalhou-se com maravilhosa rapidez pelo mundo inteiro, e em toda parte foi instrumento de misericórdia, arma terrível contra o demônio, remédio para muitos males, meio simples e prodigioso de conversão e de santificação.

Corpo incorrúpto de Santa Catarina Labouré

Aparições mais famosas

  • Guadalupe (Mexico)
  • Garabandal (Espanha)
  • Fátima (Portugal)
  • Lourdes (França) (1) (2)
  • Medjugorje (Herzegovina) (3)

Lista de Aparições de Nossa Senhora no Mundo: (4)

Aparições, Revelações ou Manifestações de Nossa Senhora (Fonte: Lista de Aparições)

Aprovadas por dioceses e/ou pela Congregação Para a Doutrina Da Fé. (Vaticano):

NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS
NOSSA SENHORA DE LA SALETE
NOSSA SENHORA DE LOURDES
NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
NOSSA SENHORA DO CARMO
NOSSA SENHORA DE GUADALUPE
NOSSA SENHORA DE APARECIDA
NOSSA SENHORA DE CARAVAGGIO
NOSSA SENHORA DE AKITA
NOSSA SENHORA EM HERFORD
NOSSA SENHORA EM CALANDA
NOSSA SENHORA DE BEAURAING
NOSSA SENHORA DE KIBEHO
NOSSA SENHORA EM HEEDE
NOSSA SENHORA DE BANNEUX
NOSSA SENHORA DO COROMOTO
NOSSA SENHORA EM CUA
NOSSA SENHORA EM SIRACUSA
NOSSA SENHORA DE PONTMAIN
NOSSA SENHORA EM PFAFFENHAFEN
NOSSA SENHORA EM TRÉ FONTANE
NOSSA SENHORA DE TODOS OS POVOS

Ainda sem parecer final da Congregação Para A Doutrina Da Fé (Vaticano):

NOSSA SENHORA EM NAJU COM MILAGRE EUCARÍSTICO
NOSSA SENHORA EM CUAPA
NOSSA SENHORA EM GARABANDAL
NOSSA SENHORA EM MEDJUGORJE
NOSSA SENHORA DE CZESTOCHOWA
NOSSA SENHORA EM ROMA
NOSSA SENHORA EM NÁPOLES
NOSSA SENHORA EM MONTICHIARI
NOSSA SENHORA DAS NEVES
NOSSA SENHORA EM CORBIE
NOSSA SENHORA EM CANTERBURY
NOSSA SENHORA EM LUCA
NOSSA SENHORA EM GLATZ
NOSSA SENHORA EM VAILANKAMI
NOSSA SENHORA EM VERVIERS
NOSSA SENHORA EM CITTA VECHIA
NOSSA SENHORA EM MIRA
NOSSA SENHORA DE KNOCK
NOSSA SENHORA EM CASERTA
NOSSA SENHORA DE LICHEN
NOSSA SENHORA DO PILAR
NOSSA SENHORA EM LUJAN
NOSSA SENHORA EM BAYSIDE
NOSSA SENHORA EM MANTARA
NOSSA SENHORA EM KERIZINEN
NOSSA SENHORA EM VICENZA
NOSSA SENHORA EM LIPA
NOSSA SENHORA EM THIENE
NOSSA SENHORA EM PUGLIA
NOSSA SENHORA DE LORETO
NOSSA SENHORA EM SAVONA
NOSSA SENHORA EM FIORANO
NOSSA SENHORA EM ZITEIL
NOSSA SENHORA EM LAVANG
NOSSA SENHORA EM SCHIO
NOSSA SENHORA EM NECEDAH
NOSSA SENHORA EM BOPFINGEN
NOSSA SENHORA EM KEVELAER
NOSSA SENHORA EM BOULOGNE
NOSSA SENHORA EM ZEITOUN
NOSSA SENHORA EM SAN NICOLAS
NOSSA SENHORA EM MONTAGNAGA
NOSSA SENHORA DE GUNADALA
NOSSA SENHORA EM VALENCIENNES
NOSSA SENHORA EM NOVA POMPÉIA
NOSSA SENHORA EM BOCCADIRIO
NOSSA SENHORA EM JERUSALÉM
NOSSA SENHORA EM SAN DAMIANO
NOSSA SENHORA EM TILLY-SUR-SEULLES